top

create your own banner at mybannermaker.com!

sábado, 26 de maio de 2012

As 2300 tardes e manhãs do profeta Daniel PARTE 1

Esse é o tema mais polemico e muito deturpado pelos mestres adventistas (Adventistas do sétimo dia, ministério quatro anjos, etc.) Segundo esta seita satânica, as 2300 tardes e manhãs de Daniel, teve início durante a reconstrução do Templo de Jerusalém (455 A.C) após o edito de Ciro (Persa), na tese adventista, as 2300 tardes e manhãs correspondem a 2300 anos, sendo assim, o Templo de Jerusalém teria sido reconstruído por volta de 455 Antes de Cristo e o cumprimento dessa profecia se deu por volta de 1844 depois de Cristo, exatamente no dia do grande erro profético de Guilherme Miller, tal erro que ficou conhecido historicamente como o (Dia do Grande Desapontamento).

Segundo Guilherme Miller, Jesus Cristo iria voltar em 22 de outubro de 1844, cumprindo-se assim, as 2300 tardes e manhãs do profeta Daniel; para justificar o erro profético de Guilherme Miller, a seita adventista do sétimo dia, inventou uma teoria bizarra dizendo que a profecia de Guilherme Miller estava correta, porém Jesus Cristo não iria voltar à terra em 1844 e sim fazer uma purificação no Santuário Celestial; tal interpretação bizarra é sustentada até os dias de hoje por seitas como o ministério quatro anjos pregando abertamente essa heresia.

O que eu farei nesse artigo? Eu irei interpretar corretamente a profecia de Daniel e mostrar como essa seita (Adventistas do sétimos dias) é uma seita satânica. Usando textos Bíblicos e documentos históricos, ficará fácil para o leito entender perfeitamente qual o verdadeiro significado dessa profecia e quando ela se cumpriu.

A profecia de Daniel é essa:

“9. De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para a jóia (dos países). 10. Cresceu até alcançar os astros do céu, do qual fez cair por terra diversas estrelas e as calcou aos pés. 11. Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo (holocausto) perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu” (Daniel capítulo 8)

“13 Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados? 14 E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado” (Daniel capítulo 8)

“14 E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado” (Daniel capítulo 8)

Obs. Reconstrução do Templo de Jerusalém ocorreu por volta de 455 a 456 A.C.

Bem meus irmãos, vamos ler todo o texto e identificar todas as características que envolvem tal profecia.

Segundo o Profeta Daniel, a profecia se cumpriria quando:

•O Santuário fosse profanado.

•O Santuário fosse destruído.

•Os holocaustos fossem abolidos.

•Durariam 2300 tardes e manhãs tal abolição.

•Então o Santuário seria restabelecido, purificado e haveria o retorno dos holocaustos.

A primeira questão a ser abordada é o real significado das 2300 tardes e manhãs, segundos os mestres adventistas, as 2300 tardes e manhãs corresponde a 2300 anos, ou seja, eles mudaram o significado teológico de uma profecia por conta própria, pois em nenhum momento Daniel da qualquer orientação para se fazer tal mudança, ainda mais sabendo que o nosso calendário (Gregoriano) é diferente do calendário usado por Daniel; o calendário usado por Daniel era o calendário (Lunar), sendo assim, mesmo que as 2300 tardes e manhãs fossem 2300 anos jamais essa profecia entraria na interpretação adventista, pois desde que reconstruíram o Templo de Jerusalém (455 A.C) o suposto 2300 anos não acabaria no ano de 1844 depois de Cristo, eu vou explicar. O calendário Lunar possui um dia a menos no mês do que o calendário Gregoriano, ou seja, durante um ano o calendário Lunar possui 12 dias a menos que o calendário Gregoriano no qual os adventistas usaram. Sugiro a um adventista fazer a seguinte conta:

1 dia vezes 12 meses vezes 2300 anos: 1 x 12 x 2300 = 27600 dias.

A diferença de dias entre o calendário Lunar usado por Daniel para o calendário Gregoriano no qual usamos hoje é de 27600 dias, ou seja, 27600 dias a menos.

Agora transformando essa diferença (27600 dias) em anos segundo o calendário Lunar, dariam mais ou menos (78 anos) a menos do que contado pelo calendário Gregoriano, sendo assim, se realmente a profecia de Daniel sobre as 2300 tardes e manhas fosse correspondente a uma suposta purificação no Santuário Celestial depois de 2300 anos após a reconstrução do templo, essa profecia teria se cumprido por volta de (1766 depois de Cristo) e não em (1844 depois de Cristo).

Por isso 22 de outubro de 1844 ficou conhecido como o dia do (Grande Desapontamento). Assim, temos mais um grande desapontamento por parte adventista.

Esses são os teólogos adventistas, não sabem nem a diferença do calendário Lunar para calendário Gregoriano Solar.
Obs. Um ano no calendário Lunar possui 354 dias, no calendário Gregoriano possui 365 dias.

Voltando ao assunto das 2300 tardes e manhãs, não existe respaldo bíblico algum para se mudar (Tardes e Manhãs) em (Anos), quem assim o fez, foi por conta própria e não sob ordenação bíblica; na verdade, Daniel estava se referindo aos (SACRIFÍCIOS) que eram realizados no Templo diariamente. As 2300 tardes e manhãs correspondem aos 2300 Sacrifícios ou holocaustos que faltaram no Reino Israel, isso iria ocorrer em um tempo que os sacrifícios seriam abolidos por causa de uma profanação no Templo. Mas fica a pergunta no ar: Como que 2300 tardes e manhãs correspondem a 2300 sacrifícios? A resposta é simples, existe uma ordenação na lei mosaica de se realizar diariamente um sacrifício pela tarde e outro pela manhã no mesmo dia.

“38 Isto, pois, é o que oferecereis sobre o altar: dois cordeiros de um ano, cada dia, continuamente. 39 Um cordeiro oferecerás pela manhã, e o outro cordeiro oferecerás à tarde” (Êxodo capítulo 29)

Obs. O início do dia para os Hebreus começava no por do sol, ou seja, as 18h00min do nosso calendário.

Por isso o primeiro Sacrifício era feito a tarde do calendário Hebraico, o que seria por volta das 09h00min do nosso calendário, e o segundo sacrifício, era realizado pela manhã, o que seria por volta das 18h00min do nosso calendário.

Quando Daniel diz que durariam 2300 tardes e manhãs desde a profanação do Templo até a sua purificação, ele estava se referindo a lei mosaica, onde se oferecia um sacrifício pela Tarde e ou pela Manhã. Ainda fica outra pergunta: Seriam as 2300 tardes e manhãs 2300 dias corridos? A resposta também é muito simples, NÃO. Daniel se referia a 2300 sacrifício ou holocaustos onde um era feito pela tarde e ou pela manhã do mesmo dia, ou seja, eram feitos dois sacrifícios no mesmo dia, sendo assim, os dias decorridos para a realização desses 2300 sacrifícios eram de 1150 dias apenas.

Sabendo que as 2300 tardes e manhãs de Daniel eram referentes a 2300 sacrifícios realizados em 1150 dias, falta-nos saber em que momento da história essa profecia iria se cumpri. No próprio livro, Daniel revela exatamente qual momento da história o Santuário seria profanado e os Sacrifícios abolidos.

“3. Erguendo os olhos, eis que vi um carneiro, o qual se achava em frente ao rio. Tinha dois chifres, dois longos chifres, um dos quais era mais alto do que o outro. Esse chifre mais alto apareceu por último. 4. Vi o carneiro dar chifradas em direção do oeste, do norte e do sul. Nenhum animal resistia diante dele, e ninguém conseguia escapar de seu poder. Fazia o que queria, e crescia. 5. Enquanto observava com atenção, eis que um bode robusto veio do ocidente e percorreu a terra inteira sem tocar o solo; tinha entre os dois olhos um chifre muito saliente” (Daniel capítulo 8)

Nesse texto, o Profeta diz existir um carneiro com dois chifres (dois poderes), depois ele diz existir um bode com chifre (um poder).

Observem que o carneiro com dois chifres dominou oeste, norte e sul, porém do ocidente vem um bode com um chifre, mas o poder do bode era superior ao do carneiro com dois chifres.

“6. Foi até o carneiro de dois chifres, que eu tinha visto em frente ao rio, e avançou contra ele num excesso de fúria. 7. Eu o vi aproximar-se do carneiro e atirando-se com fúria sobre ele, espancá-lo e quebrar-lhe os dois chifres, sem que o carneiro tivesse força para sustentar o assalto. O bode jogou por terra o carneiro e o calcou aos pés, sem que alguém interviesse para subtraí-lo ao ataque de seu adversário. 8. Então o bode tornou-se muito grande. Mas, assim que se tornou poderoso, seu grande chifre quebrou-se e foi substituído por quatro chifres que cresciam em direção dos quatro ventos do céu” (Daniel capítulo 8)

Agora o Profeta revela que o bode de um chifre atacaria o carneiro de dois chifres, assim o bode quebra seus dois chifres e torna-se muito grande; essa palavra (GRANDE) indica exatamente quem é esse bode, o significado de Grande é: (Magno).

Antes de explicar quem era esse bode (Magno), irei continuar a explicação desse mesmo texto, pois o texto diz que único chifre (poder) desse bode fora quebrado, ao se quebrar, seu chifre foi substituído por outros quatros chifres, ou seja, quatro poderes que nasceriam após a queda desse primeiro chifre.

“9. De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para a jóia (dos países)” (Daniel capítulo 8)

Após a quebra do único chifre do bode e o aparecimento de mais quatro chifres, nasce um cifre pequeno, assim esse chifre parte para dominar a jóia dos países, com um pouco de estudo sabemos que a jóia dos países nada mais é do que a própria Jerusalém. Isso se encontra em: (Jeremias 3-19)

Bem, segundo o Profeta esse chifre pequeno cresceria e invadindo a jóia dos países (Jerusalém) destruiria o Santuário e iria abolir os sacrifícios feitos todos os dias, um pela manhã e outro pela tarde do mesmo dia.

“11. Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo (holocausto) perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu” (Daniel capítulo 8)

Agora eis a revelação sobre o bode e o carneiro:
“19. Eis, disse, vou revelar-te o que acontecerá nos últimos tempos da cólera, porque isso diz respeito ao tempo final. 20. O carneiro de dois chifres, que viste, simboliza os reis da Média e da Pérsia. 21. O bode valente é o rei de Javã; o grande chifre que ele tem entre os olhos é o primeiro rei. 22. Sua ruptura e o nascimento de quatro chifres em seu lugar significam quatro reinos saindo dessa nação, mas sem terem o mesmo poder. 23. No fim do reinado deles, quando estiver cheia a medida dos infiéis, um rei surgirá, cheio de crueldade e fingimento” (Daniel capítulo 8)



Observem que a profecia iria se cumprir depois que o Reino de Javã derrotasse o Reino da Média e da Pérsia, ou seja, o carneiro de dois chifres era o Reino da Média e da Persa e o bode valente era o Reino de Javã, sendo assim, resta-nos saber quem era o Reino de Javã, pois o Reino da Média e da Pérsia nós já sabemos, eles derrotaram o Rei da Babilônia perto do fim do cativeiro.
Obs. O carneiro tinha dois chifres, exatamente porque o Reino da Média e da Pérsia era um império constituído por esses dois Reinos, todos os conheciam como Império Medos e Persas, ou seja, dois chifres dois (poderes),

O Reino de Javã era constituído por um chifre apenas ou um (Poder), porém esse chifre tinha como característica ser (Grande), sendo assim, ele se referia a Alexandre Grande ou Magno, pois foi ele quem derrotou o Império Medos e Persas; algumas versões da João Ferreira de Almeida já traz em suas traduções o nome (Reino da Grécia) no lugar de (Reino de Javã).
Prestem atenção:

“20 Aquele carneiro que viste com dois chifres são os reis da Média e da Pérsia, 21 Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei” (Daniel capítulo 8 versão João Ferreira de Almeida)

Agora ficou mais fácil entender quando se cumpriu a profecias das 2300 tardes e manhãs do Profeta Daniel.

Vamos relembrar os fatos profetizados:
1º) Alexandre Magno iria derrotar o Império Medos e Persas.

2º) Alexandre Magno iria morrer e de seu Reino sairiam quatro outros Reinos.

3º) Desses quatro Reinos se levantaria um pequeno chifre no qual iria invadir Jerusalém.

4º) Esse pequeno chifre iria profanar o Santuário e abolir os Sacrifícios durante 1150 dias.
Chegou o momento de mostrar historicamente os fatos ocorridos:

Daniel diz:
O bode de um chifre (Alexandre Magno) iria derrotar o carneiro de dois chifres (Império Medos e Persas).



As 2300 tardes e manhãs do profeta Daniel PARTE 2 FINAL

Essa profecia fora cumprida e narrada na própria Bíblia Sagrada, pois no livro dos Macabeus descreve esse fato.

“1. Ora, aconteceu que, já senhor da Grécia, Alexandre, filho de Filipe da Macedônia, oriundo da terra de Cetim, derrotou também Dario, rei dos persas e dos medos e reinou em seu lugar” (I Macabeus capítulo 1)

Qual era a profecias de Daniel?

“20 Aquele carneiro que viste com dois chifres são os reis da Média e da Pérsia, 21 Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei” (Daniel capítulo 8 versão João Ferreira de Almeida)

Fatos ocorridos por volta do século IV antes de Cristo.

Flávio Joséfo, famoso historiador judeu, diz em seu livro (História das antiguidades) que Alexandre Magno era o famoso príncipe Grego que o Profeta Daniel fazia menção em sua profecia.

“Alexandre, depois de assim responder a Parmênio, abraçou o sumo sacerdote e os outros sacerdotes, caminhou no meio deles até Jerusalém, subiu ao Templo e ofereceu sacrifícios a Deus da maneira como o sumo sacerdote lhe disse para fazer. O sumo sacerdote mostrou-lhe em seguida o livro de Daniel, no qual estava escrito que um príncipe grego destruiria o império dos persas e disse-lhe que não duvidava de que era dele que a profecia fazia menção. Alexandre ficou muito contente. No dia seguinte, mandou reunir o povo e ordenou que dissessem que favores desejavam receber dele” (Flavio Josefo História das antiguidades, Livro 11 capítulo 8)

“2. Empreendeu (Alexandre Magno) inúmeras guerras, apoderou-se de muitas cidades e matou muitos reis. 3. Avançou até os confins da terra e apoderou-se das riquezas de vários povos, e diante dele silenciou a terra. Tornando-se altivo, seu coração ensoberbeceu-se. 4. Reuniu um imenso exército, 5. impôs seu poderio aos países, às nações e reis, e todos se tornaram seus tributários” (I Macabeus capítulo 1)

Qual era a profecia de Daniel?

“8. Então o bode tornou-se muito grande. Mas, assim que se tornou poderoso, seu grande chifre quebrou-se e foi substituído por quatro chifres que cresciam em direção dos quatro ventos do céu” (Daniel capítulo 8)

Daniel diz:

Após as conquistas de Alexandre Magno, ele iria morrer e de seu Reino sairiam outros quatro Reinos. Fatos narrados nos livros dos Macabeus.

“8. Alexandre havia reinado doze anos ao morrer. 9. Seus familiares receberam cada qual seu próprio reino. 10. Puseram todos o diadema depois de sua morte, e, após eles, seus filhos durante muitos anos; e males em quantidade multiplicaram-se sobre a terra” (I Macabeus capítulo 1)

Segundo o historiador Judeu Flávio Joséfo, o reino de Alexandre Magno fora justamente dividido em quatro outros Reinos.

“Alexandre, o Grande, morreu, depois de vencer os persas e tratar Jerusalém do modo como falamos. Seu império foi dividido entre os chefes de seu exército: Antígono recebeu a Ásia; Seleuco, a Babilônia e as nações vizinhas; Lisímaco, o Helesponto; Cassandro, a Macedônia e Tolomeu, filho de Lago, o Egito.Houve divergências entre eles com relação ao governo, as quais causaram sangrentas e longas guerras, desolação em várias cidades e a morte de um grande número de pessoas." (Flavio Josefo História das antiguidades, Livro 12 capítulo 1)

Ásia e Babilônia formaram um só Reino após Seleuco vencer Antigono na famosa batalha de Issus (300 A.C), ou seja, o Reino Selêucidas. (do qual sairá Antioco Epifanes)

Lisímaco: Continua governando o ponto da Tracía, (Sudoeste da Europa, banhado pelo Mar Negro, Mar Mámara e Mar Egeu)

Cassandro: Governa a Macedônia e a Grécia.
Ptolomeu: Governa Egito, Fenícia e a Palestina.

Assim se formam os quatros grandes reinos profetizados por Daniel após a queda (Morte) de Alexandre Magno. Os reinos ficaram conhecidos como:

1º) Selêucidas.

2º) Lisímaco.

3º) Cassandro Macedônio.

4º) Ptolomeu Egito.

Algumas décadas após a divisão do Reino de Alexandre Magno, formando esses quatro grandes reinos; o império Selêucidas acaba dominando os outros três Reinos (Lisímaco, Cassandro e Ptolomeu). Fatos se cumprindo na era dos Macabeus; cumprindo-se assim outra profecia de Daniel agora no capítulo (7).

”8. Como estivesse ocupado em observar esses chifres, eis que surgiu, entre eles outro chifre menor, e três dos primeiros foram arrancados para dar-lhe lugar. Este chifre tinha olhos idênticos aos olhos humanos e uma boca que proferia palavras arrogantes.” (Daniel capítulo 7)




Daniel diz:
Em um desses quatros Reinos (Após a morte de Alexandre Magno), sairá um chifre pequeno que apontará para Jóia dos Paises (Jerusalém).

“9. De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para a jóia (dos países)” (Daniel capítulo 8)

Segundo os livros dos Macabeus, esse pequeno chifre se chama (Antioco Epifanes).

Biografia:

Filho de Antioco Magno III, da dinastia Selêucidas (Um dos quatros Reinos), foi levado para Roma após a Batalha na Magnésia (189 A.C), voltou de Roma e toma o trono do império Selêucidas, vence Ptolomeu VI que governava o Egito, assim concentra suas ação em helenizar os Judeus dentro de Jerusalém.

“8. Alexandre havia reinado doze anos ao morrer. 9. Seus familiares receberam cada qual seu próprio reino. 10. Puseram todos o diadema depois de sua morte, e, após eles, seus filhos durante muitos anos; e males em quantidade multiplicaram-se sobre a terra. 11. Desses reis originou-se uma raiz de pecado: Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco, que havia estado em Roma, como refém, e que reinou no ano cento e trinta e sete do reino dos gregos” (I Macabeus capítulo 1)

Como vimos no texto acima, Antioco Epifanes, considerado a (Raiz do Pecado), originou-se de um dos quatros Reino após a morte de (Alexandre Magno); em sua biografia diz que ele fazia parte da dinastia Selêucidas. Vindo ele de Roma, concentrou suas atenções na tentativa de helenizar os Judeus dentro de Jerusalém, assim como o profeta Daniel menciona em suas profecias.

Podemos encontrar esse registro no próprio livro dos Macabeus.

“20. Após ter derrotado o Egito, pelo ano cento e quarenta e três, regressou Antíoco e atacou Israel, subindo a Jerusalém com um forte exército. 21. Penetrou cheio de orgulho no santuário, tomou o altar de ouro, o candelabro das luzes com todos os seus pertences, 22. a mesa da proposição, os vasos, as alfaias, os turíbulos de ouro, o véu, as coroas, os ornamentos de ouro da fachada, e arrancou as embutiduras. 23. Tomou a prata, o ouro, os vasos preciosos e os tesouros ocultos que encontrou. 24. Arrebatando tudo consigo, regressou à sua terra, após massacrar muitos judeus e pronunciar palavras injuriosas 25. Foi isso um motivo de desolação em extremo para todo o Israel” (I Macabeus capítulo 1)

Em (História das antiguidades), Flávio Joséfo narra o mesmo fato narrado no livro dos Macabeus.

“Depois que ele se ergueu, viu um carneiro que tinha vários chifres, sendo o último maior que os outros. Voltando os olhos para o lado do ocidente, viu aproximar-se um bode, que se chocou com o carneiro, derrubou-o e o pisou. Viu depois sair da fronte desse bode um chifre bem grande, que foi quebrado, e dele saíram outros quatro, voltados para os quatro ventos. Entre esses quatro chifres, surgiu um menor. Deus lhe disse que esse chifre, quando crescesse, faria guerra à sua nação, tomaria Jerusalém, aboliria todas as cerimônias do Templo e durante [2300 tardes e manhãs] proibiria que ali se oferecessem sacrifícios.... Isso tudo aconteceu sob o reinado de Antíoco Epifânio” (Flavio Josefo, História das Antiguidades, livro 11 capítulo 12)

Agora se inicia a profanação do Templo e a abolição dos Sacrifícios, cumprindo as 2300 tardes e manhãs do Profeta Daniel.

Daniel diz:

Esse pequeno chifre (Antioco Epifanes), após crescer e invadir a Jóia dos Paises (Jerusalém) profanaria o Templo e suspenderia os Holocaustos durante 2300 tardes e manhãs, como vimos nas explicações acima, as 2300 tardes e manhãs correspondem a 2300 Holocaustos que seriam realizados um pela tarde e outro pela manhã durante 1150 dias corridos.

“11. Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo (holocausto) perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu” (Daniel capítulo 8)

“13 Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados? 14 E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado” (Daniel capítulo 8)
O historiador Judeu Flávio Joséfo também deixou esse fato registrado em seu livro (História das antiguidades), assim ele também menciona que tal fato era o cumprimento da profecia de Daniel.

“Os quatro chifres pequenos nascidos desse grande chifre e que se dirigiam para as quatro partes do mundo representavam aqueles que depois da morte desse soberano dividiriam entre si esse grande império, embora não fossem nem seus filhos nem seus descendentes. Eles reinariam durante vários anos, e de sua posteridade viria um rei que faria guerra aos judeus, aboliria todas as suas leis e toda a forma de sua república, saquearia o Templo e durante três anos proibiria que ali se oferecessem sacrifícios. Isso tudo aconteceu sob o reinado de Antíoco Epifânio” (Flavio Josefo, História das Antiguidades, livro 11 capítulo 12)

Segundo a profecia, após a profanação do templo, os Holocaustos seriam abolidos durante as 2300 tardes e manhãs, porém seriam restabelecidos depois da purificação do templo; fatos narrados nos livros dos Macabeus.
“52. No dia vinte e cinco do nono mês, isto é, do mês de Casleu, do ano cento e quarenta e oito, eles se levantaram muito cedo, 53. e ofereceram um sacrifício legal sobre o novo altar dos holocautos, que haviam construído. 54. Foi no mesmo dia e na mesma data em que os gentios o haviam profanado, que o altar foi de novo consagrado ao som de cânticos, das harpas, das liras e dos címbalos. 59. Foi estabelecido por Judas e seus irmãos, e por toda a assembléia de Israel que os dias da dedicação do altar seriam celebrados cada ano em sua data própria, durante oito dias, a partir do dia vinte e cinco do mês de Casleu, e isto com alegria e regozijo” (I Macabeus capítulo 4)

Flávio Joséfo em seu livro vai mais além, segundo ele, a purificação do Templo realizada por Judas Macabeus e seus Irmãos, a volta dos Sacrifícios e a institucionalização da festa da dedicação ou festa das luzes, seria o cumprimento da Profecia de Daniel.

“Judas, após obter tão grandes vitórias sobre os generais do exército de Antíoco, persuadiu os judeus a ir a Jerusalém dar graças a Deus, como lhe eram devidas, purificar o Templo e oferecer sacrifícios....Isso se deu no mesmo dia em que, três anos antes, o Templo fora indignamente profanado por Antíoco e abandonado, no dia vinte e cinco do mês de Casleu, no ano cento e quarenta e cinco, e na Olimpíada cento e cinqüenta e três. A renovação ocorreu no mesmo dia do ano cento e quarenta e oito e da Olimpíada cento e cinqüenta e quatro, como o profeta Daniel havia predito, quatrocentos e oito anos antes, dizendo clara e distintamente que o Templo seria profanado pelos macedônios. Judas celebrou durante oito dias com todo o povo, por meio de solenes sacrifícios, a festa da dedicação do Templo....F oi determinado realizar-se todos os anos aquela festa, durante oito dias. Chamaram-na festa das luzes porque, segundo a minha opinião, essa felicidade foi como uma luz agradável que dissipou as trevas de nossos longos sofrimentos, aparecendo numa ocasião em que não poderíamos sequer imaginá-la” (Flavio Josefo, História das Antiguidades, livro 12 capítulo 11)

Essa é a única interpretação existente sobre as 2300 tardes e manhãs de Daniel, fora isso são aberrações proféticas de mentes esquizofrênicas.
Para terminas, eu irei colocar mais um trecho do livro de Flávio Joséfo a respeito da interpretação do capítulo oito de Daniel. Lembrando que Flávio Joséfo era fariseu, versátil nas escrituras e totalmente imparcial, pois o mesmo não era Cristão.
“Depois que ele se ergueu, viu um carneiro que tinha vários chifres, sendo o último maior que os outros. Voltando os olhos para o lado do ocidente, viu aproximar-se um bode, que se chocou com o carneiro, derrubou-o e o pisou. Viu depois sair da fronte desse bode um chifre bem grande, que foi quebrado, e dele saíram outros quatro, voltados para os quatro ventos. Entre esses quatro chifres, surgiu um menor. Deus lhe disse que esse chifre, quando crescesse, faria guerra à sua nação, tomaria Jerusalém, aboliria todas as cerimônias do Templo e durante [2300 tardes e manhãs] proibiria que ali se oferecessem sacrifícios. Depois que Deus lhe manifestou essa visão, explicou-a deste modo: o carneiro significava o império dos medos e dos persas, cujos reis eram representados pelos chifres. O maior era o último deles, porque sobrepujava a todos em riquezas e em poder. O bode significava que viria da Grécia um rei que venceria os persas e se tornaria senhor daquele grande império — o chifre grande significava esse rei. Os quatro chifres pequenos nascidos desse grande chifre e que se dirigiam para as quatro partes do mundo representavam aqueles que depois da morte desse soberano dividiriam entre si esse grande império, embora não fossem nem seus filhos nem seus descendentes. Eles reinariam durante vários anos, e de sua posteridade viria um rei que faria guerra aos judeus, aboliria todas as suas leis e toda a forma de sua república, saquearia o Templo e durante três anos proibiria que ali se oferecessem sacrifícios. Isso tudo aconteceu sob o reinado de Antíoco Epifânio. Deus lhe tornou patentes todas essas coisas, e ele as deixou por escrito para serem admiradas pelos que lhe vissem os efeitos, para mostrar os favores que recebera dele e para confundir os erros dos epicureus, que, em vez de adorarem a Providência, dizem que Ele não se importa com os interesses deste mundo e que a terra não é conservada nem governada por essa suprema Essência, igualmente bem-aventurada, incorruptível e onipotente, mas subsiste por si mesma. Se eles considerassem verdade o que dizem, ver-se-iam logo perecendo como um navio que, não tendo piloto, é batido pela tempestade ou como um carro sem condutor, que é arrastado pelos cavalos. Não pode haver melhor prova que as profecias de Daniel para nos fazer constatar a loucura de quem não aceita que Deus tenha cuidado com o que se passa sobre a terra. Pois se tudo o que acontece no mundo é por acaso, como explicar o cumprimento de todas essas profecias? Julguei meu dever relatar tudo isso conforme o que encontrei nos Livros Santos, mas deixo a cada qual liberdade para ter outras opiniões ou acreditar no que quiser” (Flavio Josefo, História das Antiguidades, livro 11 capítulo 12)

Assim cai por terra mais uma peripécia protestante.

Autor: Cris Macabeus.

Referencias bibliográficas:

Bíblia versão dos Monges de Maredsous (Bélgica) editora Ave Maria.

Bíblia versão João Ferreira de Almeida Fiel e Corrigida.

Flavio Josefo livro História dos Hebreus.

FONTE ELETRÔNICA;
 

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Toda uma comunidade evangélica se converte ao catolicismo

Em todo o mundo, cada vez mais protestantes e evangélicos retornam à Igreja Católica. Conheça a história do Pastor Alex e de sua comunidade evangélica.

O ex-pastor Alex Jones
Aconteceu nos Estados Unidos. A “Igreja Cristã Maranatha” ficava na Av. Oakman, Detroit. Hoje, o imóvel está à venda.

Tudo começou quando o pastor Alex Jones, 58 anos, passou a trocar o culto pentecostal por uma espécie de réplica da Missa. No domingo, 4 de junho de 2006, durante a celebração da Unidade Cristã e da Ascensão do Senhor, os líderes da congregação decidiram (por 39 votos a favor e 19 contra) dar os passos necessários para torná-la oficialmente católica. Uma história repleta de anseios, surpresas, amor e alegria.

“Eu pensava que algum espírito tinha se apossado dele”, disse Linda Stewart, sobrinha do pastor Alex. “Pensava que, na procura pela verdade, ele tinha se perdido”. Linda considera o tio como um pai, ela que foi adotada por ele desde o falecimento do verdadeiro pai. A preocupação da moça começou quando seu tio trocou o estudo da Bíblia, que era feito sempre às quartas-feiras, pelo estudo dos primitivos Padres da Igreja.

Gradualmente a congregação foi deixando o culto evangélico e retornando à Santa Missa: ajoelhar-se, o Sinal da Cruz, o Credo de Niceia, a Celebração Eucarística: todos os 9 passos. Linda explica: “Aprendi que a Igreja Católica era a grande prostituta do Apocalipse e o Papa era o Anticristo. E Maria? De modo algum! Éramos felizes e seguíamos Jesus. Eu estava triste e pensava: ‘ele está maluco se pensa que vamos cair nessa!’”.

O começo de tudo se deu quando Jones ouviu, num programa de rádio chamado “Catholic Answers” (‘Respostas Católicas’), o debate entre o protestante David Hunt e o apologista católico Karl Keating. O católico fez a pergunta-chave: “Em quem você acreditaria, no caso de um acidente, para saber o que aconteceu? Nos que estavam ali, como testemunhas oculares (Apóstolos), ou naquele que só apareceu depois de muitos anos (Lutero)?” O que era desde o princípio, o que ouvimos e vimos com nossos olhos, o que contemplamos e nossas mãos tocaram do Verbo da Vida. Porque a Vida se manifestou e nós a vimos; damos testemunho e anunciamos a Vida Eterna, que estava no Pai e se manifestou a nós; O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que tenhais comunhão conosco: nossa comunhão é com o Pai e com o Filho, Jesus Cristo. Escrevemos estas coisas para que a vossa alegria seja completa." (I João 1-4)

Keating acentuou que, para aprender a verdade sobre a Igreja Cristã, era necessário ler os Padres da Igreja Primitiva, isto é, aqueles que estiveram lá desde o começo da história. “Aquilo fazia sentido”, disse o pastor Jones: “Guardei no coração e ponderei; mas só vim a compreender tudo quando li os Padres da Igreja e conheci uma Cristandade que não tínhamos em nossa igreja”. “Percebi que o centro do culto dos primeiros cristãos não era somente a pregação e o louvor, mas a Eucaristia, como o Corpo e o Sangue de Cristo presente”, declarou ele ainda.

No começo do verão de 1998, o pastor Jones decidiu reativar o verdadeiro culto da Igreja Primitiva em sua comunidade. Passou a realizar uma espécie de celebração eucarística todos os domingos. “Minha congregação achava ridículo”, recorda ele. “Eles diziam que uma vez por mês era o suficiente”. Jones leu o livro “Cruzando o Tibete”, de Steve Ray, professor de Bíblia em Milão, e aprendeu muito sobre as Escrituras, o Batismo e a Eucaristia. Mais tarde pode conhecer este autor no Seminário do Sagrado Coração em Milão, e passou a encontrá-lo regularmente.

Os dois dialogavam quase diariamente, por telefone ou e-mail. Ao estudo da Bíblia somou-se o estudo da Patrologia, do Catecismo, da Virgem Maria e os santos, do Purgatório, da Teologia Sacramental... “Comecei a deixar de lado a Sola Scriptura (somente a Bíblia), que representa o coração e a alma da fé protestante”, diz Jones. Parte do povo começou a abandonar a congregação. Relata a sobrinha de Jones: “A cada domingo eu ia para casa e dizia: ‘este foi o último; não volto mais”. Mas como confiava que seu tio era um homem de Deus, acabava retornando sempre, e aos poucos as coisas começaram a fazer sentido para ela também.

No processo de mudar o culto da Comunidade Maranatha, pastor Jones finalmente percebeu o óbvio: “Por quê recriar a roda? Já existe a Igreja que faz o culto da maneira correta: a Igreja Católica!” “Comecei a perceber que a Igreja eterna era a Católica. Todas as outras tiveram uma data de início e foram fundadas por homens. Eu encontrara a Igreja de Jesus Cristo e estava querendo perder todo o resto.” A SITUAÇÃO DA ESPOSA “Parecia uma coisa temporária. Então ele começou a mudar as coisas drasticamente e eu me perturbei, porque achava que ele estava indo pelo caminho errado”, diz Donna Jones, 33 anos, esposa do ex-pastor Alex.

“Ele havia pregado que a Igreja Católica era cheia de idolatria”, completa ela: “Quando começou a abraçar essa fé, eu disse: ‘Tem alguma coisa errada aqui’”... Alex e Donna começaram a discutir sobre usos cristãos. Donna começou a estudar a Igreja Católica para contrariar o marido, na tentativa de desviá-lo daquele caminho, como ela explica: “Precisava de ‘munição’ para contra-atacar. Mas, logo que eu comecei a ler sobre os Padres da Igreja, uma mudança começou acontecer no meu coração”.

No verão de 1998, Dennis Walters, diretor do Rito de Iniciação Cristã para Adultos da Paróquia Cristo Rei (Ann Arbor), se encontrou com a família Jones. Walters forneceu exemplares do Catecismo aos líderes de toda a Congregação Maranatha, e respondia às muitas perguntas sobre a doutrina. Por quase 10 anos, Walters se encontrou com os Jones todas as terças-feiras, e ficavam juntos por 4 ou 5 horas. Ele conta que Donna lutou contra a possibilidade de admissão na Igreja Católica também porque isso significaria a perda do emprego bastante rentável do seu marido. Rindo, ela conta que orava assim: “Senhor, o que estou fazendo, após 25 anos de ministério? Eu não estou preparada para me tornar pedicure ou manicure...”. Mas conclui contando o que aconteceu depois de algum tempo: “Então o Espírito Santo me falou ao coração: ‘Eu não estou questionando sobre a sua concordância ou não. Estou tratando da sua conformação à Imagem de Cristo’”.
Exatamente 8 meses depois, numa tarde, Donna se dirigiu ao seu marido e anunciou: “Eu sou católica!”. Depois disso, Alex Jones concluiu: “Este é definitivamente um trabalho do Santo Espírito! Quando me foi revelado que esta era a sua Igreja, não foi difícil tomar a minha decisão, embora soubesse que isso me custaria tudo”.

Para formalizar a sua conversão, a Congregação Maranatha vêm se comunicando com a Arquidiocese de Detroit há mais de um ano. A Arquidiocese está procedendo com cautela, pois há muito a ser estudado, como a situação dos casados pela segunda vez e as posições que serão adequadas para os ministros da Maranatha dentro da Igreja Católica. Por enquanto, há a possibilidade de o ex-pastor Alex Jones entrar para o seminário e se tornar padre ou diácono. Ex-pastores casados convertidos têm feito isso: Steve Anderson, de White Lake, era padre numa “igreja carismática episcopal” antes de se unir à Igreja Católica. Casado e pai de três jovens rapazes, ele recebeu permissão de Roma para se tornar padre e entrará no Seminário Maior do Sagrado Coração, para começar 3 anos de estudos antes de ser ordenado para a Diocese de Lansing.

O resultado da votação dos líderes da Congregação, a favor da conversão à Igreja Católica, foi motivo de festa para Linda, a sobrinha de Jones. Na ocasião, ela declarou: “Estou muito feliz! Mal posso esperar para entrar em Comunhão plena com a Igreja Católica, porque acredito realmente que ela é a Igreja que Cristo deixou aqui, e preciso ser parte dessa Igreja!”...

FONTE ELETRÔNICA;


sábado, 19 de maio de 2012

Apesar do dinheiro da Universal, Record terá prejuízo de R$ 100 milhões

Edir Macedo, líder da Igreja Universal e principal acionista da TV Record foi informado de que sua emissora fechará o ano de 2012 com um prejuízo estimado em R$ 100 milhões. Trata-se de um prejuízo 66% maior que o do ano passado, quando a emissora fechou com R$ 60 milhões negativos, segundo informação da coluna Radar, de Lauro Jardim ("Veja").

Estima-se que, por ano, a Igreja Universal pague em torno de R$ 480 milhões para a Record, em troca das madrugadas da emissora.

O anúncio de mais um milionário prejuízo em 2012 deve esquentar novamente os ânimos das duas correntes em tensão dentro da Universal.

De um lado, há os bispos que acham que a emissora deve ser um veículo da Igreja, e não o contrário, e que exigem mais espaço para a pregação na grade de programação; do outro lado, a corrente encabeçada por Honorilton Gonçalves, vice-presidente artístico, que defende uma programação comercial laica, a manutenção da "guerra" contra a Globo e a permanência da programação da Igreja Universal nas madrugadas.

Boa parte dos gastos deste ano se devem à cobertura das Olimpíadas de Londres, às quais a Record já havia desembolsado US$ 60 milhões para ter exclusividade, e agora terá de enviar cerca de 300 profissionais para a cobertura.

Além dos gastos e do prejuízo iminente, a Record amarga uma das piores fases em termos de audiência em horário nobre. Atualmente em cartaz, novelas como "Rebelde" e "Máscaras" estão afundando a média de audiência. Em abril, na comparação com abril de 2011, a queda de ibope foi de 12%.

FONTE ELETRÔNICA;



domingo, 13 de maio de 2012

Histórias emocionantes de mães especiais



O Dia das Mães está chegando, por este motivo o Canção Nova apresenta o testemunho de mulheres que receberam a missão de cuidar de filhos especiais. Histórias de amor incondicional que superam as barreiras da deficiência.

A importância da mãe e da maternidade - A missão mais sublime que Deus confiou à mulher

É tão grande a missão da mãe e do pai na vida dos filhos que Deus nos deu o Mandamento “Honrar pai e mãe”; o primeiro que encabeça a segunda Tábua das Leis. O livro do Eclesiástico diz que “Deus quis honrar os pais pelos filhos, e cuidadosamente fortaleceu a autoridade da mãe sobre eles” (Eclo 3,3). “Quem teme ao Senhor honra pai e mãe. Servirá aqueles que lhe deram a vida como a seus senhores” (v.8).

A missão da mãe está ligada diretamente à vida. Ela gera e educa o filho para a sociedade e para Deus. Por isso, a maior contradição é uma mãe abortar seu filho. A mãe é a grande defensora da vida, desde a concepção até a morte natural do filho. A criatura mais desnaturada, mais perversa, é a mãe que rejeita o próprio filho.

A mãe é a primeira educadora do homem; ela o molda para viver as virtudes, o amor ao próximo, a civilidade, e desenvolver todos os seus talentos para o bem próprio e dos outros.

“Educar é uma obra do coração”, dizia Dom Bosco, por isso a mãe tem o primado do amor. Com paciência e perícia ela vai tirando os maus hábitos do filho e fomentando as virtudes dele. Michel Quoist afirmava “que não é para si que os homens educam os seus filhos, mas para os outros e para Deus”.

Educar é colaborar com Deus, e é na educação dos filhos que se revelam as virtudes da mãe. Sem o carinho e a atenção da mãe a criança certamente crescerá carente de afeto e desorientada para a vida. Sem experimentar o amor materno o homem futuro será triste.

É no colo da mãe que a criança aprende o que é a fé, aprende a rezar e a amar a Deus e as pessoas. A maioria das pessoas que se dizem ateias, ou avessas à religião, não receberam a fé no colo de suas mães; porque é na primeira infância que o homem tem o seu primeiro e fundamental encontro com Deus.
--------------------------------------------------------------------------------
Assista: Ser Mãe! Uma emoção a cada dia

É no colo da mãe que o homem de amanhã deve aprender o que é a retidão, o caráter, a honestidade, a bondade, a pureza de coração. É no colo materno que a criança aprende a respeitar as pessoas, a ser gentil com os mais velhos, a ser humilde e simples e a não desprezar ninguém.

É no colo da mãe que o filho aprende a caridade, a vida pura na castidade, o domínio de todas as paixões desordenadas e a rejeitar todos os vícios. É a mãe, com seu jeito doce e suave, que vai retirando da sua “plantinha” que cresce a erva daninha da preguiça, da desobediência, da má-criação, dos gestos e palavras inconvenientes. É ela quem vai ensinando a criança a perdoar, a superar os momentos de raiva sem revidar, a não ter inveja dos outros que têm mais bens e dinheiro. É a mãe que, nas primeiras tarefas do lar, lhe ensina o caminho redentor do trabalho e da responsabilidade. A mãe é a grande combatente do pecado original.

Até o Filho de Deus quis ter uma Mãe para cumprir a missão de salvar a humanidade; e Ele fez o primeiro milagre nas Bodas de Caná exatamente porque ela Lhe pediu. Por isso, cada mãe é um sinal de Maria, que ensina seu filho a viver de acordo com a vontade de Deus.

Infelizmente o secularismo, que tomou conta do mundo atual e expulsa Deus da sociedade, das famílias, das escolas e das instituições, desvalorizou a maternidade, enterrou seus imensos valores e empanou o brilho de sua grandeza. Hoje, muitas e muitas mulheres, inclusive católicas, já não querem ser mães, ou então têm receio da maternidade, como se não fosse uma bênção a acolher.

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) diz que: “A Sagrada Escritura e a prática tradicional da Igreja veem nas famílias numerosas um sinal da bênção divina e da generosidade dos pais” (CIC § 2373; GS, 50,2). E afirma que “os filhos são o dom mais excelente do matrimônio e constituem um benefício máximo para os próprios pais” (CIC § 2378).

Como, então, rejeitar os filhos, se são uma bênção de Deus? Será que o medo e o comodismo estão superando a nossa fé? Será que Deus não cuidará mais daqueles a quem Ele deseja lhes dar a vida?

Nunca me esqueci do que um homem pobre me disse quando eu era ainda jovem e solteiro. Tinha nascido seu oitavo filho e ele me contava que estava tão mal financeiramente que, no dia do batismo, o padrinho da criança pediu para levar o afilhado para criar. Ao que o pai lhe disse: “Não, Deus dá, Deus cria”. E depois desse ainda teve muitos outros filhos. A mãe desses filhos – os Guatura – ainda é viva com seus noventa anos na cidade de Lorena (SP). É a maior prova de que a maternidade faz muito bem à vida e à saúde da mulher.

O Salmo 126 diz com todas as letras: “Vede, os filhos são um dom de Deus: é uma recompensa o fruto das entranhas”. “Feliz o homem que assim encheu sua aljava [...]” (Sl 126, 3-5). Ainda cremos nessa palavra de Deus? Vitor Hugo declarou que "um lar sem filhos é como uma colmeia sem abelhas"; acaba ficando sem a doçura do mel.

Na “Carta às Famílias” (CF) o saudoso Papa João Paulo II denunciou o perigo do mundo que vive hoje buscando só o prazer: “Visando exclusivamente ao prazer, pode chegar até a matar o amor, matando o seu fruto. Para a cultura do prazer, o "fruto bendito do teu ventre" (cf. Lc 1,42) torna-se, em certo sentido, um "fruto maldito" (CF, 21).

São Paulo diz que a mulher tem na maternidade um meio poderoso de sua salvação, embora não seja, é claro, o único: “A mulher será salva pela maternidade, contanto que permaneça com modéstia na fé, na caridade e na santidade” (I Tm 2,15).

No Dia das Mães é preciso que cada mulher, especialmente a mulher católica, medite profundamente sobre a missão de ser mãe, a mais sublime que Deus confiou à mulher.

Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com


Prof. Felipe Aquino, casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Saiba mais em Blog do Professor Felipe Site do autor: www.cleofas.com.br

sexta-feira, 11 de maio de 2012

É bíblica a missa? Parte I

Há muito tempo eu quis escrever sobre este tema. Resolvi escrever este texto devido o fato de alguns Protestantes Neopentecostais e Pentecostais afirmarem peremptoriamente que Jesus nunca mandara rezar missa! Pasmem! Embasados no dogma do Sola Scriptura criado por Martinho Lutero no seu escrito "A Liberdade de um Cristão" de 1520, negam qualquer interpretação ou aplicação da Sagrada Escritura que não esteja nela mesma prevista. Aqui já há um problema de frente: A premissa Protestante Neopentecostal e Pentecostal para se negar a missa, parte do pressuposto dogma luterano que não está na Bíblia mas, em um escrito de Martinho Lutero. Mas, vamos fazer de conta que aceitamos o erro formal da premisssa protestante e vamos nos perguntar: a missa é bíblica?

[Sobre a doutrina da Sola Scriptura ler mais aqui: Link1 - Link 2 - Link 3]
Levando adiante o pressuposto Protestante Neopentecostal e Pentecostal, nem o dito "culto" ali realizado o poderia ser, pois, Jesus ensinou apenas três formas de orar segundo a Sagrada Escritura: A primeira, pública, utilizando o Pai-Nosso (cf. Mt 6,9-13; Lc 11,2-4). O segundo modo que Jesus ensina orar é em particular, entrando para o quarto (metáfora para coração) e orando ao Pai como está em Mt 6,5-6. Há um terceiro modo que Jesus utiliza para orar: Ele toma o pão, abençoa, dá graças, reparte o pão e o entrega aos seus. A este modo particular a Igreja chamou Eucaristia "porque as palavras Eucharistein e Eulogein (Lc 22,19; 1Cor 11,24 e Mt 26,26; Mc 14,22 respectivamente) lembram as bênçãos judaicas que proclamam [...] a criação, a redenção e a santificação" (Catecismo da Igreja Católica, doravante CIC, n. 1328). Os textos bíblicos nos evangelhos sinóticos que demonstram Jesus realizando Eucaristia são: Lc 24,30 (os discípulos de Emaús); Mc 6,41 que acrescenta: "elevou os olhos ao céu" (primeira multiplicação dos pães); Mc 8,6 (segunda multiplicação dos pães); Mc 14,22 (instituição da Eucaristia); Mt 14,19 (primeira multiplicação dos pães); Mt 26,26-29 (instituição da Eucaristia); Lc 22,14-20 (instituição da Eucaristia).

Este modo de orar foi ainda chamado de Ceia do Senhor "por se tratar da ceia que o Senhor fez com seus discípulos às vésperas de sua paixão" (CIC, n. 1329). Chama-se ainda "Assembléia Eucarística (gr. Synaxis) porque a Eucaristia é celebrada na Assembléia dos fiéis, expressão visível da Igreja" (CIC, n. 1329).

A Igreja ainda deu a este modo particular de orar, ensinado por Jesus, o nome de "Santo Sacrifício, Santo Sacrifício da Missa, Sacrifício de Louvor, Sacrifício espiritual, Sacrifício Puro e Santo, pois realiza e supera todos os sacrifícios da Antiga Aliança" (CIC, n. 1330).

Tem ainda, este modo próprio da Igreja orar o nome de Missa, pois, termina com o envio dos fiéis para a vida e a missão de anunciar o Cristo: "Ide...", como Jesus no enviou a todos, somos por ele enviados ao término daquela ação litúrgica.

Sem me deter mormente no Sacramento Augustíssimo da Eucaristia que por si mesmo já pede outro texto, irei expor ainda que suscintamente a estrutura da Missa, Eucaristia, Ceia do Senhor... Antes, porém, devo responder a uma objeção que se impõe: Se não há na Bíblia mandato explícito para se celebrar a Missa, porque a Igreja o faz? Ela desobedece a Sagrada Escritura?

1. Há o mandato explícito de Jesus para os Apóstolos: "Fazei isto em minha memória". (Lc 22,19; 1Cor 11,24). Tal mandato de Jesus não é para que se lembre, somente. Se assim o fosse, não teria São Paulo escrito: "Todas as vezes, pois, que comeis desse pão e bebeis desse cálice, anunciais a morte do Senhor até que ele venha" (1Cor 11,26). E ainda, se tal celebração fosse apenas para lembrar o que Jesus fez um dia, sem nenhum sentido sacramental, salvífico, São Paulo também não teria escrito: "Eis porque todo aquele que comer do pão ou beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um examine a si mesmo antes de comer desse pão e beber desse cálice, pois aquele que come e bebe sem discernir o Corpo, come e bebe a própria condenação." (1Cor 11,27-28). Ora, se o cálice que tomamos e o pão que partimos fossem meros vinho e pão não teríamos com o que nos preocupar, pois, um pão pode nos condenar? Uma alface pode nos tornar réus do Corpo do Senhor? O arroz que você come precisa ser comido somente depois de ter sido discernido? O suco de uva que você bebe só o poderá ser bebido se você estiver digno para tal? Um condenado à morte não come e bebe como o mais santo dos homens e, no entanto, a comida nada lhe acrescenta ou lhe tira. Se a Eucaristia fosse uma simples lembrança e o pão e o vinho, corpo e sangue do Senhor, meros enfeites e símbolos, então esta página da Sagrada Escritura seria inútil e São Paulo um desentendido das coisas do Senhor e, portanto, indigno de qualquer crédito (cf. 1Cor 11,23).

2. A Igreja obedece o que a Tradição e a Sagrada Escritura afirmam, pois, uma complementa a outra.

(ops, já vejo um Pentecostal ou Neopentecostal gritar: Mas a Tradição é coisa de homens e não se pode aceitar doutrinas humanas... blá... blá... blá... Cale-se, irmão. É humana a doutrina de Lutero da Sola Scriptura e você a segue sem questionar! Use outro argumento.) Do Catecismo da Igreja Católica, n. 1345

Desde o século II temos o testemunho de S. Justino Mártir sobre as grandes linhas do desenrolar da Celebração Eucarística, que permaneceram as mesmas até os nossos dias para todas as grandes famílias litúrgicas. Assim escreve, pelo ano de 155, para explicar ao imperador pagão Antonino Pio (138-161) o que os cristãos fazem:

"No dia 'do Sol', como é chamado, reúnem-se num mesmo lugar os habitantes, quer das cidades, quer dos campos. Lêem-se, na medida em que o tempo o permite, ora os comentários dos Apóstolos, ora os escritos dos Profetas. Depois, quando o leitor terminou, o que preside toma a palavra para aconselhar e exortar à imitação de tão sublimes ensinamentos. A seguir, pomo-nos todos de pé e elevamos nossas preces por nós mesmos (...) e por todos os outros, onde quer que estejam, a fim de sermos de fato justos por nossa vida e por nossas ações, e fiéis aos mandamentos, para assim obtermos a salvação eterna. Quando as orações terminaram, saudamo-nos uns aos outros com um ósculo. Em seguida, leva-se àquele que preside aos irmãos pão e um cálice de água e de vinho misturados. Ele os toma e faz subir louvor e glória ao Pai do universo, no nome do Filho e do Espírito Santo e rende graças (em grego: eucharístia, que significa 'ação de graças') longamente pelo fato de termos sido julgados dignos destes dons. Terminadas as orações e as ações de graças, todo o povo presente prorrompe numa aclamação dizendo: Amém. Depois de o presidente ter feito a ação de graças e o povo ter respondido, os que entre nós se chamam diáconos distribuem a todos os que estão presentes pão, vinho e água 'eucaristizados' e levam (também) aos ausentes"

A seguir, reproduzo quase que textualmente o Cap. I do Livro "O Banquete do Cordeiro. A missa segundo um convertido" de Scott Hahn, professor de teologia e de Escritura na Universidade Franciscana em Steubenville. Neste capítulo, o ex-pastor comenta como foi se convertendo paulatinamente à fé católica justamente indo à missa:

Ao estudar os escritos dos primeiros cristãos, Scott, encontra inúmeras referencias à "liturgia", à "Eucaristia", ao "sacrifício". Foi então a santa missa (logicamente incognito, visto que era um ministro protestante, calvinista), como um execício academico. Como calvinista, foi instruído para acreditar que a missa era o maior sacrilégio que alguém poderia cometer. Pois para eles a missa era um ritual com o propósito de "sacrificar Jesus Cristo outra vez". Entretando a medida que a missa prosseguia, alguma coisa o tocava. A Bíblia estava diante dele! Nas palavras da missa! Isaías, Salmos, Paulo... Não obstante, manteve sua posição de espectador, à parte, até que ouve o sacerdote pronunciar as palavras da consagração: "Isto é o meu corpo... Este é o cálice do meu sangue".

Então sentiu todas as suas dúvidas se esvairem. Quando viu o sacerdote elevar a hóstia, percebeu que uma prece subia do seu coração em um sussurro: "Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!" Como não foi maior sua emoção ao ouvir toda a igreja orar: "Cordeiro de Deus... Cordeiro de Deus... Cordeiro de Deus" e o sacerdote dizer: "Eis o Cordeiro de Deus...", enquanto elevava a hóstia. Em menos de 1 minuto a frase "Cordeiro de Deus" ressoou 4 vezes. Graças a longos anos de estudo bíblicos, percebeu imediatamente onde estava. Estava no livro do Apocalípse, no qual Jesus é chamado de Cordeiro nada menos que 28 vezes em 22 capítulos. Estava na festa de núpcias que João descreve no final do último livro da Bíblia. Estava diante do trono do céu, onde Jesus é saudado para sempre como o Cordeiro. Entretanto, não estava preparado para isso - Ele estava na MISSA!
Scott volta à missa por 2 semanas, e a cada dia "descobria" mais passagens das Escrituras consumadas diante de seus olhos. Contudo, naquela capela , nenhum livro lhe era tão visível quanto o da revelação de Jesus Cristo, o Apocalípse, que descreve a adoração dos anjos e santos de céu. Como no livro, ele vê naquela capela, sacerdotes paramentados, um altar, uma assembléia que entoava: "Santo, Santo, Santo". Viu a fumaça do incenso, ouviu a invocação de anjos e santos... ele mesmo entoava os aleluias, porque se sentia cada vez mais atraído a essa adoração.

A cada dia se desconcertava mais, e não sabia se voltava para o livro ou para a ação no altar, que pareciam cada vez mais ser exatamente a mesma! Mergulhou nos estudos do cristianismo antigo e descobriu que os primeiros bispos, os Padres da Igreja, tinham feito a mesma descoberta que ele fazia a cada manhã. Eles consideravam o livro de Apocalípse a chave da liturgia e a liturgia a chave do livro do Apocalípse. Scott começava descobrir que o livro que ele mais achava desconcertante, agora elucidava as idéias mais fundamentais de sua fé: A idéia da aliança como elo sagrado da família de Deus.

Além disso, a ação que ele considerava a maior das blasfêmias - a missa - agora se revelava como a celebração litúrgica do acontecimento que ratificou a aliança de Deus: "Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna alinça". Scott estava aturdido, pois durante anos tentou compreender esse livro como uma espécie de mensagem codificada a respeito do fim do mundo, a respeito do culto no céu distante, algo que os cristãos não poderiam experimentar aqui na terra! Agora , queria gritar a todos dentro daquela capela durante a liturgia: "Ei, pessoal.Quero lhes mostrar onde vocês estão no livro do Apcalípse! Consultem o cap.4, vers. 8... Isso mesmo! Agora mesmo vocês estão no céu!!!

Os padres da igreja mostraram que essa descoberta nao era de Scott! Pregaram a respeito há mais de mil anos. Scott, no entanto, estava convencido de que merecia o crédito pela redescoberta da relação entre missa e o livro do Apocalípse! Então, para sua surpresa, descobre que o Concílio Vaticano II o tinha passado para trás! Reflitam nestas palavras da Constituição sobre a Sagrada Liturgia: "Na liturgia terrena, antegozando, participamos da liturgia celeste, que se celebra na cidade santa de Jerusalém, para a qual, peregrinos, nos encaminhamos. Lá, Cristo está sentado à direita de Deus, ministro do santuário e do tabernáculo verdadeiro; com toda milícia do exército celestial entoamos um hino de Glória ao Senhor e, venerando a memória dos santos, esperamos fazer parte da sociedade deles; suspiramos pelo Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo até que ele, nossa vida, se manifeste e nós apareçamos com Ele na glória"

Espere um pouco.Isso é céu. Não, isso é missa. Não, é o livro do Apocalípse. Espere um pouco: Isso é tudo o que está acima! Scott, se acalma, para não ir rápido demais, para evitar os perigos aos quais os convertidos são susceptíveis! Pois, ele estava rapidamente se convertendo à fé católica! Contudo, essa descoberta não era produto de uma imaginação superexcitada; era o ensinamento solene de uma "Concílio da Igreja Católica".

Com o tempo, Scott descobre que essa era também a conclusão inevitável dos estudiosos protestantes mais rigorosos e honestos. Um deles, Leonard Thompson, escreveu que "até mesmo uma leitura superficial do livro de Apocalípse mostra a presença da linguagem litúrgica disposta em forma de culto...". Basta as imagens da liturgia para tornar esse extraordinário livro compreensível. As figuras litúrgicas são essenciais para sua mensagem, escreve Thompson, e revelam "algo mais que visões de 'coisas que estão por vir'".

O livro do Apocalípse tratava de Alguém que estava por vir. Tratava de Jesus Cristo e sua "segunda vinda", a forma como, em geral, os cristãos traduziram a palavra grega parousia. Depois de passar horas e horas naquela capela, Scott aprende que aquele Alguém era o mesmo Jesus Cristo que o sacerdote católico erguia na hóstia. Se os cristãos primitivos estavam certos, ele sabia que, naquele exato momento, o céu tocava a terra: "Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!"

Ainda assim, restavam muitas perguntas sérias na mente e no coração de Scott: Quanto à natureza do sacrifício. Quanto aos fundamentos bíblicos da missa. Quanto a continuidade da tradição católica. Quanto a muitos dos pequenos detalhes do culto litúrgico. Essas perguntas definiram suas investigações nos meses que levaram a sua admissão na Igreja Católica. Em certo sentido, elas continuam a definir seu trabalho de hoje.

"Porém, agora ele não faz mais perguntas como acusador ou curioso, mas como filho que se aproxima do pai, pedindo o impossível, pedindo para segurar na palma da mão uma estrela luminosa e distante." Scott não crê que Nosso Pai nos recuse a sabedoria que buscamos a respeito de sua missa. Ela é afinal de contas, o acontecimento no qual ele confirma sua aliança conosco e nos faz seus filhos. Este livro é mais ou menos o que Scott descobriu enquanto investigava as riquezas de "nossa tradição católica".

Nossa herança inclui toda a Bíblia, o testemunho ininterrupto da Tradição, os constantes ensinamentos dos santos e do Sagrado Magistério, a pesquisa dos teólogos e estudiosos. Na missa , você e eu temos o céu na terra. As provas são prodigiosas. A experiencia é uma revelação!
Na segunda parte vamos percorrer as partes da missa para explicar cada uma.

Para Citar:

--------------------------------------------------------------------------------

Fernando, Padre Luís. É bíblica a missa? Parte I. Disponível em: . Desde 04/05/2012

FONTE ELETRÔNICA;
 

É bíblica a missa? Parte II - As partes da Missa

Continuando a exposição para responder à pergunta: "É bíblica a missa?" vamos ao rito da Missa parte por parte para ver se há algo de bíblico nele. Isto aqui já é por si mesmo desnecessário por tudo quanto se disse anteriormente na I Parte, mas, para alimentar a espiritualidade católica e a curiosidade dos nossos leitores, vamos ao rito da missa. Farei uma terceira parte sobre o rito e a ritualidade litúrgica na Igreja.

1. Procissão e cântico de entrada. Lembra o caminhar do povo no deserto rumo à terra prometida. Enquanto estamos nesta terra, peregrinamos todos rumo àquela terra prometida por Jesus, o céu: "Vou preparar-vos um lugar e quando eu meu for e vos tiver preparado um lugar, virei novamente e vos levarei comigo, a fim de que, onde eu estiver, estejais também vós" (Jo 14,2-3). Ademais, sempre foi costume do povo de Deus caminhar, peregrinar aos Santuários e ao Templo de Jerusalém conforme encontramos nos salmos das subidas (Sl 120 a 134). Quando se inicia a Santa Missa e têm-se início a procissão de entrada, está nos lábios dos fiéis: "Que alegria quando ouvi que me disseram: vamos à casa do Senhor. E agora nossos pés já se detém, Jerusalém, em tuas portas" (Sl 122,1-2). A missa, portanto, é um peregrinar ao coração do mistério. Não é um caminhar sem sentido, às escuras ou perdido por 40 anos em um deserto escaldante. É um caminhar à luz da fé e para a luz da Vida: "Vimos a verdadeira Luz, recebemos o Espírito celeste, encontramos a verdadeira fé: adoramos a Trindade indivisível, pois foi ela quem nos salvou" (cf. CIC, n. 732).

2. O sinal da Cruz e a saudação inicial. A ação litúrgica começa em nome da Santíssima Trindade. A liturgia é obra da Santíssima Trindade! Nada se faz na Igreja sem a ação de Deus. A Assembléia é reunida no amor de Cristo pela ação do Espírito Santo para prestar o eterno culto de louvor ao Pai: "O cântico de louvor, que ressoa eternamente nas moradas celestes, e que Jesus Cristo, Sumo Sacerdote, introduziu nesta terra de exílio, foi sempre repetido pela Igreja, durante tantos séculos, constante e fielmente, na maravilhosa variedade das suas formas" (Laudis Canticum, Paulo VI, PP.). Tal cântico de Louvor é a Liturgia da Igreja em sua "maravilhosa variedade de formas". Quem presta o culto a Deus é uma comunidade cultual e não apenas um indivíduo. Desde o Antigo Testamento, as Assembléias de culto ali descritas, sobretudo no Deuteronômio e Crônicas, evocam a proximidade de Deus com seu povo e a sua convocação para o culto em sua presença: QHL-IHWH (Qahal-Iahweh) (cf. Dt 4,10; 9,10; 18,16). Reunida pela primeira vez no Sinai por Deus, a comunidade cultual hebréia se tornou, em Cristo, a nova Jerusalém (cf. Ap 21, 1-8). A tradução dos LXX em Alexandria faz passar QHL-IHWH (Qahal-Iahweh) no hebraico à EKKLESIA, Igreja, no grego, com o mesmo sentido. Por isso a Assembléia reunida para a Eucaristia responde: "Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo". A saudação inicial é sempre tirada de uma das cartas de São Paulo, como esta, por exemplo: "O Deus da esperança vos cumula de todo gozo e paz em vossa fé, até transbordar de esperança pela força do Espírito Santo" (cf. Rm 15, 13).

3. O Ato Penitencial ou exame de consciência. É o momento no qual toda a Assembléia convocada pede ao Senhor a purificação do coração para celebrar dignamente aqueles santos mistérios. Reconhecendo a própria indignidade e a absoluta transcendência de Deus, todo o povo ali reunido invoca o Senhor em sua Misericórdia e perdão. É o cumprimento do preceito de São Paulo em 1Cor 11,28.

4.O Glória. Neste Hino composto pela Igreja exalta-se a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. É entoado nas festas e solenidades. É entoado por todo o povo. Não é, como muitos pensam, uma expressão de alegria pelo perdão recebido no exame de consciência. Mas, é a exaltação de Cristo por aquilo mesmo que Ele é: Senhor (cf. Fl 2,11), Cordeiro (cf. Jo 1,36), Filho de Deus Pai (cf. Mc 1,11). Aqui vale uma nota importante: O Glória não pode ser substituído por um hino de louvor qualquer que não corresponda à natureza mesma deste Hino Católico.

5. A Palavra. Depois todos ouvimos as leituras do Antigo Testamento, dos Apóstolos, o Evangelho e a homilia de quem preside. De fato, desde Justino Mártir (supra citado) e a Traditio Apostólica de Hipólito de Roma (séc. III) que esta ordem não muda. Aliás, muito antes deles. Nas Assembléias litúrgicas dos Atos dos Apóstolos já era comum o ouvir juntos a Palavra, a comunhão fraterna dos alimentos (partilha), a eucaristia (fração do pão) e as orações (cf. At 2,42).

6. A profissão de fé. Aqui caberia um texto somente sobre o Credo. Tendo sido composto a partir da Sagrada Escritura todo ele é uma afirmação, uma proclamação da nossa fé. É dividido em 3 partes: Afirma-se a fé na Trindade Santa: Pai, Filho e Espírito Santo; afirma-se crer a Igreja como obra da Santíssima Trindade e, por fim, afirma-se a fé escatológica da Igreja: a ressurreição e a vida eterna. Sobre o Credo, uma exposição mais detalhada se encontra aqui: Link.

7. As preces. São orações compostas pela Igreja, pelas necessidades da Igreja e do mundo que são elevadas a Deus. De fato, são importantes porque expressam a confiança filio-paternal na Divina Providência como ensina At 2,42.

8. As oferendas: pão e vinho e a Oração Eucarística. Usamos pão e vinho porque Jesus mandou que se o fizesse em sua Memória (como explicado anteriormente). A respeito da Oração Eucarística, vou transportar um breve texto sobre a Oração Eucarística II que possui a seguinte estrutura:
[ROCCHETTA, Carlo. Os sacramentos da fé. Ensaio de teologia bíblica sobre os sacramentos como “maravilhas da salvação” no tempo da Igreja. São Paulo: Paulinas, 1991. pg. 317-320]

A segunda prece eucarística

Esta prece se distingue por sua brevidade e simplicidade. Ela foi composta levando em conta antigo formulário constante da “Traditio Apostólica”, de santo Hipólito romano, que remonta aproximadamente ao ano de 215. Quanto ao conteúdo, destaca-se pelo relevo que dá ao mistério de Cristo. Tem prefácio próprio, que pertence ao corpo geral, mas que pode ser substituído por outros em consonância com o ano litúrgico.
a) Ação de graças
Introduzido pelo diálogo celebrante-comunidade, o prefácio é verdadeira ação de graças pelas “maravilhas da salvação” realizadas pelo Pai com o envio do Filho, "feito homem por obra do Espírito Santo”, de cujo sangue brotou o novo povo de Deus, que, a uma só voz, pode agora proclamar a infinita santidade de Deus. Depois de afirmar o dever de “dar graças sempre e em toda parte” ao Pai por Jesus Cristo, Filho do seu amor, recorda em uma só visão tanto a “maravilha” da criação como a “maravilha” da redenção: "Por meio dele, tua Palavra viva, criaste todas as coisas e o enviaste a nós, Salvador e Redentor, feito homem por obra do Espírito Santo e nascido da Virgem Maria”.
Cristo é o centro do culto cristão, pois é, ao mesmo tempo, o centro da criação e da redenção, já que tudo foi feito por meio dele, nele e em função dele e tudo foi reconciliado no seu sangue (cf. CI 1,13-20). O prefácio continua, destacando que a encarnação do verbo alcança seu cumprimento no mistério de sua páscoa, da qual, como de uma fonte, deriva todo o mistério da Igreja: "Para cumprir a tua vontade e adquirir para ti um povo santo, ele estendeu os braços na cruz e, morrendo, destruiu a morte e proclamou a ressurreição”. Desse modo, "a aquisição de um povo consagrado, e a paixão, na qual o crucificado estende os braços na cruz como para abençoar e abraçar o universo: assim ele anuncia a morte e manifesta a ressurreição. A concisão dessa descrição une a morte e a ressurreição de Cristo em um só ato, libertador e vitorioso”. Essa evocação conclui com o louvor à santidade e à grandeza de Deus, de cuja glória o céu e a terra estão cheios.
b) Passagem e epiclese sobre as oferendas
A fórmula de passagem, "Pai verdadeiramente Santo, fonte de toda santidade”, retorna a idéia da santidade de Deus, mas a desenvolve, destacando que toda santidade e santificação deriva do Pai. Assim, estamos em cheio no âmbito das “maravilhas de Deus”, pois a santidade é uma delas. Dessa convicção de fé nasce a epiclese (ou invocação )do Espírito. Com efeito, se Deus Pai é a fonte de toda santidade, é perfeitamente lógico que ele seja invocado para a santificação e a consagração dos dons (pão e vinho). E o agente dessa obra é o Espírito Santo: “Santifica estes dons com a efusão do teu Espírito, para que se tornem para nós o corpo e o sangue de Jesus Cristo, nosso Senhor”.
Assim, a santidade de Deus se transmite aos dons, por meio do envio da Pessoa do Espírito, que tem o poder de transformar o pão e o vinho no corpo e no sangue do Senhor. Com efeito, o Espírito de Deus é Espírito criador: assim como no princípio pairou sobre o cosmos para operar a primeira criação e assim como na plenitude dos tempos “pousou” sobre Maria para nela operar a criação da humanidade de Jesus, início da nova criação, agora ele é invocado sobre os dons do pão e do vinho para operar essa “maravilha” da nova criação e da graça que é a transubstanciação”: Aqui se mostra com grande evidência que a consagração, cerne da celebração eucarística, é obra das três pessoas divinas, da Santíssima Trindade, assim como a encarnação do Verbo, enviado pelo Pai e feito homem por intervenção do Espírito Santo.”

“A expressão ‘para nós’ não deve levar ao engano: ela não tem caráter subjetivo, como se significasse que o corpo e o sangue têm para nós valor simbólico; ela conserva todo o seu valor objetivo, como, aliás, sugere o verbo 'tornar-se', no sentido que atua concretamente a presença do corpo e do sangue de Cristo. A frase pretende sublinhar que o corpo e o sangue de Cristo tornam-se presentes em função de nossa participação sacramental. Não nos encontramos diante de espetáculo, mas de uma ação que nos empenha profundamente’’

c) Relato da instituição
‘’Entregando-se livremente à sua paixão, ele tomou o pão, deu graças, partiu-o, deu-o aos seus discípulos e disse: Tomai e comei, todos: este é o meu corpo, oferecido em sacrifício por vós".
"Depois da ceia, do mesmo modo, tomou o cálice, deu graças, deu-o aos discípulos e disse: Tomai e bebei, todos: este é o cálice do meu sangue, para a nova e eterna aliança, derramado por vós e por todos pela remissão dos pecados. Fazei isto em memória de mim’’.

Quase de imprevisto, chega-se ao relato da instituição, mas a invocação do Espírito e a menção do corpo e do sangue de Cristo o haviam preparado. Trata-se da anamnese propriamente dita, que atualiza nos sinais o mistério da páscoa, e nos empenha a revivê-lo em toda a sua intensidade e em todas as suas conseqüências. A aliança é renovada na oblação de Cristo. A eucaristia é a nova shekinah, a morada de Deus entre os homens. Pode-se agora aceitar o convite de Cristo (‘’Tomai... comei... bebei...’’) e participar do seu banquete de salvação, pois a "maravilha"’da páscoa já foi atualizada sobre o altar. Naturalmente, trata-se de "maravilha sacramental" e, como tal, só é alcançada pelo altar da fé. Por isso, logo depois das palavras da consagração, o sacerdote acrescenta: ‘’Mistério da fé!’’, ao que o povo responde afirmando o conteúdo da eucaristia em consonância com o anúncio paulino de 1Cor 11,26: morte, ressurreição, espera da parusia: "Anunciamos a tua morte, Senhor, e proclamamos a tua ressurreição, à espera da tua vinda".

d) Memória e oferenda

“Celebrando o memorial da morte e ressurreição do teu filho, te oferecemos, ó Pai, o Pão da vida e o cálice da salvação e te damos graças por nos teres admitido em tua presença para o cumprimento do serviço sacerdotal”.

Depois de ter afirmado que tudo o que se realizou é a “memória” do mistério pascal de Cristo, o celebrante, juntamente com toda a comunidade, oferece ao Pai o “pão da vida” e o cálice da salvação” como “ação de graças” pelo que Jesus realizou por nós com sua páscoa. E, assim, retorna o tema da berakah, a “ação de graças”, que perpassa toda a celebração eucarística e agora acompanha o gesto da oferenda.
e) Epiclese sobre os comungantes

“Suplicamos-te humildemente: que o Espírito Santo nos reúna em um só corpo para a comunhão no corpo e no sangue de Cristo”.

Agora, com estilo simples e conciso, invoca-se segunda vez o Espírito Santo para que os que participam da comunhão com o corpo e o sangue de Cristo sejam reunidos, com a graça do Espírito, ”em um só corpo”. Como participação no próprio corpo e sangue de Cristo, a eucaristia é sinal e fonte de unidade eclesial, a qual, porém, não pode ser obtido sem a obra do Espírito Santo, que é vínculo e selo de unidade, porque é Espírito de Cristo e princípio de vida e caridade. A imagem do corpo aplicada à igreja - note-se o duplo sentido correlato da palavra “corpo” - deriva da epístola aos Romanos: ”Nós somos muitos e formamos um só corpo em Cristo, sendo membros uns dos outros” (Rm12, 5).
f) As intercessões
Depois da epiclese, as intercessões, para que os frutos do sacrifício de Cristo, morto pela salvação de todos, derramem-se sobre a Igreja, sobre o mundo inteiro e sobre os falecidos. pede-se igualmente por "todoss nós", para que possamos ser partícipes da Igreja dos santos, que já canta, na bem–aventurança, a glória do Pai, por meio do Filho, no Espírito. E é precisamente com essa doxologia que se conclui a prece eucarística: "Por Cristo,com Cristo e em Cristo, a ti, Deus Pai onipotente, na unidade do Espírito Santo, toda honra e glória pelos séculos dos séculos”.
Ao que se segue o amém dos fiéis, expressando sua adesão de fé ao mistério da salvação, atualizado sobre o altar e repercutindo agora em toda a Igreja e pela eternidade.

[ ~ ]

9. O Pai-Nosso. Depois de termos sido inebriados do Espírito de Cristo pela epiclese (invocação) do sacerdote, agora como filhos adotivos rezamos ao Pai como Jesus ensinou aos seus discípulos. Por fim, O sacerdote pede que sejamos livres dos males, pela paz na Igreja e no mundo e conclui-se o embolismo com a proclamação cristológica: "Porque vosso é o reino, o poder e a glória..."

10. Cordeiro de Deus. Antes de nos aproximarmos da comunhão, rezamos ou cantamos "Cordeiro de Deus... tende piedade de nós" como João Batista, como o cego Bartimeu... não nos podemos aproximar do Deus justo e santo sem que ele mesmo nos convide por sua misericórdia e sem que nos purifique de nossa cegueira. Ele, o Filho de Davi, há de ter piedade de seu povo para aceitá-lo à sua mesa. Neste momento o pão eucarístico é partido e assim, significa o Sacrifício Pascal de Cristo nos foi entregue.

11. O ato de comungar. Recebemos pão e vinho, corpo e sangue de Cristo. Sobre a Eucaristia farei um texto a parte para não delongar muito. Aqui basta dizer que o pão abençoado, eucaristizado, transubstanciado, sobre o qual foi dado graças e partido é agora distribuído como fora a ordem de Jesus: "tomai todos e comei...", "tomai todos e bebei...".

12. "Ide em paz e o Senhor vos acompanhe". Aqui começa a segunda missa. Aquela que devemos viver no nosso cotidiano. Aquele evangelho ouvido, aquele Corpo e Sangue comungados, devem ser agora, vida na nossa vida.

Para Citar:
-------------------------------------------------------------------------------

Fernando, Padre Luís. É bíblica a missa? Parte II - As partes da Missa. Disponível em: . Desde 04/05/2012

FONTE ELETRÔNICA;